HERE Maps ~ vá para onde quiser sem conexão com a internet

Antes de fazer a roadtrip até o Uruguai, nossa maior preocupação era encontrar os mapas que utilizaríamos para que pudéssemos ser guiados até o nosso destino. Quando viajamos pelo Brasil usamos o Google Maps, estabelecemos o ponto de chegada e o aplicativo nos guia. Porém, ele só funciona com acesso à internet e como usar a rede de dados fora do país custaria uma pequena fortuna, tivemos que procurar alguma solução.

Screenshot_2015-04-02-19-26-47  Poderíamos ter comprado um GPS para o carro, mas não tínhamos certeza se conseguiríamos colocar os mapas da América Latina e se não conseguíssemos fazer isto, seria o mesmo que jogar o nosso dinheiro fora.

No meu celular, baixei uma série de aplicativos, mas nenhum deles prestou. Até que eu encontrei o HERE, que estava em versão beta na época, desenvolvido pela Nokia ~ e funciona OFFLINE!. Acho que os mapas são os mesmos que vem com o Windows Phone. Pela minha experiência é tão bom quanto o Google Maps.

Screenshot_2015-04-02-19-25-06

Antes de me aventurar em estradas longínquas, comecei a testar indo a destinos conhecidos e próximos! Acredita, ele não errou uma rota!  O que eu tive que fazer foi apenas baixar os mapas que eu precisava. A interface e todo o design dele é ótimo e o aplicativo super usual! Além de mostrar o destino, também faz um cálculo do tempo estimado de viagem e a velocidade que o carro está.

Screenshot_2015-04-02-19-26-38

Nos guiou pelo Uruguai sem nenhum problema, e o download foi gratuito!

Anúncios

O que é necessário para viajar ao Uruguai de carro

Outro dia, li o comentário de algum outro blogger viajante que atravessar fronteiras de carro parece coisa de europeu. Vivemos em um país de dimensões continentais, mas no Sul somos privilegiados em ter a fronteira com o Uruguai e Argentina bem “pertinho” de casa!

Há algumas semanas, venho falando um pouco sobre Montevidéu e a roadtrip ao Uruguai! Entretanto, não comentei sobre o pré-viagem! Não basta apenas pegar o carro e seguir rumo à fronteira! Existe uma série de documentações que você precisa providenciar antes de cair na estrada!

chui estrada Pois bem. Não é preciso dizer que o primeiro ponto é deixar a documentação do carro em dia! Não vá viajar com aos documentos em atraso! Logo depois é necessário providenciar a Carta Verde. Este é um seguro exigido para você trafegar em outros países…

A Carta Verde não é cara. Você consegue encontrá-la em qualquer corretor de seguros a uma média de R$ 80. Hoje, com o dólar nas alturas, acredito que o valor tenha subido um pouquinho. Contudo, muita gente deixa para providenciar este documento na fronteira. Eu acho que não vale a pena. O preço é praticamente o mesmo e quanto antes, menos trabalho você terá.rota 8

Agora preste atenção! Se o carro que você for viajar não estiver no seu nome, é necessário que você providencie uma procuração autenticada em cartório. Além disso, você deve levá-la ao consulado uruguaio. A mesma coisa deve ser você ainda estiver pagando o financiamento.  Para evitar todo este trabalho, viajamos em um carro quitado e no nosso nome!

Toda esta documentação é necessária, caso algum policial pare você na estrada. E por falar em estrada, achei todas muito tranquilas, e não vi um policial sequer pelas estradas! Ah… E não esqueça de encher o tanque com gasolina no lado brasileiro da fronteira. Se aqui está caro, no Uruguai então é sem cogitação!

aduana chui

A encantadora beleza de Punta Del Diablo no litoral do Uruguai

A nossa saga pelo Uruguai começou pela praia de Punta del Diablo, situada a poucos quilômetros do Chuy. O destino não estava na nossa programação, mas dar uma conferida foi inevitável, primeiro porque a comunidade tem bastante fama no Sul do Brasil e também, porque está muito próxima da estrada.

Nos encantamos por tudo o que vimos. O lugar é calmo, transmite muita paz e é excelente para quem quer descansar. Há várias pousadas e campings, que pelo o que andei lendo, devem ser reservados com muito tempo de antecedência.punta4

Punta del Diablo é cheia de brasileiros, mas nem por isso menos encantadora. As ruas são de chão batido – que para mim foi o charme do povoado. Perto do mar há vários tipos de restaurantes, super coloridos, para matar a fome. Além disso, possui uma praia maravilhosa, com água linda e azul.

Há várias rochas, que formam costões, e ver a água batendo das pedras é relaxante. Poderia ficar por ali sentada dias e dias só observando. A areia é diferente da que estamos acostumadas no nosso litoral, é mais grossa e soltinha. Mas, infelizmente, o cheiro de pescado é muito forte. Ponto negativo. A água estava quentinha, mas havia muitos resquícios de peixes e afins por ali, achei um pouco suja.punta 3

Enfim… Punta del Diablo é linda e vale a pena conhecer, se estiver em uma roadtrip pelo Uruguai. Mas não esqueça: reserve um dia para ficar por ali antes de seguir viagem!punta1punta2

De carro, o caminho de Santa Catarina a Montevidéu

Ainda não comentei por aqui, mas durante o feriado de Carnaval viajei para Montevidéu e tive umas das experiências mais importantes da minha vida! Então preparem-se para a série de publicações que virão a seguir!

Para o primeiro texto, que tal falar sobre o caminho que fizemos e uma pequena comparação entre as estradas do nosso Brasil e do Uruguai?

Saindo de Santa Catarina, o caminho até Montevidéu é longo, cerca de 1 mil quilômetros do Sul do estado até a capital uruguaia, o que se aproxima de umas 13 horas na estrada. Como saímos de Criciúma na noite de sexta, paramos em Capão da Canoa, tivemos uma viagem bem menos cansativa.

ponte sobre o rio guaiba

Ponte móvel sobre o Rio Guaíba, em Porto Alegre

 

O trajeto é bem simples, basta seguir a BR-101 para o sul, em direção a Porto Alegre. Continuar pela BR-390, conhecida como Freeway, atravessar o Guaíba, seguir a BR-116 em direção a Pelotas. É então que há dois trajetos para escolher.

PELO CHUÍ

Se a intenção é ir pelo litoral e conhecer as praias da costa uruguaia, a opção é sair da BR-116 logo que chegar em Pelotas e seguir em direção a Rio Grande. Lá uma estrada vai ligar até o Chuí, o ponto mais ao sul do Brasil. Se a gasolina estiver pouca, abasteça ainda em Rio Grande. A estrada que leva ao Chuí tem 300 quilômetros sem cidades ou postos de combustíveis. Na verdade, chega até a cansar. Por ali também há uma reserva natural.

Então, depois de cerca de duas horas, ou mais, chegamos ao Chuí. É uma cidade estranha e parece ser uma terra sem lei. Digo isto, porque assim que chegamos, as ruas estavam cheia de pessoas e carros. Os motoristas não respeitavam os cruzamentos e parecia que todos iam tocar na mesma hora.

chui

Chuí. O ponto mais ao sul do Brasil!

 

No lado brasileiro é Chuí, no uruguaio é Chuy. As duas cidades são divididas por uma avenida. Antes de cruzar a fronteira, lembre-se de abastecer o carro mais uma vez. Mesmo que o tanque esteja meio cheio, coloque o combustível do lado brasileiro. Você não vai querer pagar quase R$ 5 o litro da gasolina, só porque está no Uruguai!

Atravessando a fronteira e andando mais um pouco, aparece a aduana. A parada ali é obrigatória para fazer a imigração. Assim que chegamos, fomos surpreendidos pela quantidade de pessoas que escolheram passar o Carnaval no Uruguai. Ficamos aproximadamente 20 minutos esperando a nossa vez de preencher o formulário de imigração e carimbá-lo!

aduana chui

Aduana Chuy

 

Com a documentação em mãos, seguimos viagem. Para chegar em Montevidéu basta seguir a estrada, a Rota 9, até a Rota Interbalneária, que nos leva à capital uruguaia. Mesmo que a maioria das rodovias sejam por pistas simples, o caminho é bem tranquilo.

chui estrada

Em algum ponto, a rota que liga o Chuí a Montevideo se transforma em uma pista para pouso de aeronaves

 

por sol

Por do sol em algum ponto da Rota Interbalneária

 

POR JAGUARÃO/RÍO BRANCO

Outra opção para chegar até Montevidéu é, ao chegar em Pelotas, continuar pela BR-116, com destino a Jaguarão. Neste caso, abasteça o carro em Pelotas, porque são poucos os postos de combustíveis até a fronteira. Assim que chegar em Jaguarão, basta atravessar a ponte sobre o Rio Jaguarão e continuar a estrada até a aduana.

ADUANA RIO

Aduana em Río Branco

 

Se você sair da ponte logo que atravessar o rio, vai se deparar com uma rua cheia de FreeShops (para o meu delírio), mas esse é assunto para uma outra publicação. A aduana de Río Branco é bem mais simples, e bem menos movimentada, que a do Chuy.

Assim que fizer toda a documentação, basta seguir a Rota 18 até a Rota 8 e seguir até Montevidéu. Prepara-se para ver campos e campos até além do horizonte. Há locais que as pastagens são infinitas e não é possível ver uma casa se quer. O caminho é bastante longo, da fronteira até a capital, a viagem dura no mínimo quatro horas.

rota 8

Imagens da Rota 8

 

ESTRADAS BRASILEIRAS X ESTRADAS URUGUAIAS

Nesta minha breve vida como jornalista, já fiz várias matérias retratando a situação das estradas na minha região. A principal delas é a BR-101, que é a primeira estrada que nos leva ao Uruguai. O trecho sul da rodovia nem terminou de ser duplicado (está há mais de dez anos em obras) e a pavimentação já apresenta muitos defeitos. Não sei se é a qualidade do material utilizado ou se os caminhões trafegam com peso muito acima do limite. Alguns trechos da BR-101 estão bons, mas outros, mesmo duplicado estão repletos de buracos.

A FreeWay, com dois pedágios, é a melhor estrada que trafeguei entre o Brasil e o Uruguai. São três pistas que permitem que o trânsito flua. Ela é a ligação entre a BR-101 e Porto Alegre. Depois que atravessamos o Guaíba, pegamos a BR-116, que está em obras de duplicação. São desvios e mais desvios até chegarmos em Pelotas, além disso, há muito movimento naquela estrada.

Do Rio Grande ao Chuí, a estrada é bastante boa. Não há buracos e é bastante tranquilo para trafegar. Me surpreendi, entretanto, com a qualidade das vias no Uruguai. Mesmo com pistas simples, as rodovias permitem manter uma velocidade boa e não possuem movimento. Além disso, não há buracos no asfalto e o pavimento parece ter bastante qualidade. Tive a mesma impressão na Rota 8. Ali era realizado um trabalho de rapavimentação e nem por isso, o trânsito ficou lento ou atrapalhou a pista.